Instagram

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Acredite e ele aparecerá

Meu irmão me disse que eu só não vejo por não mais brincar na terra, ou por ter deixado de sentar na calçada nas tardes preguiçosas, como outrora. Mas cá entre nós, eu duvide-o-dó que seja por esses motivos. O tatu-bolinha é um mito de infância, isso sim, que só é visto por olhos de ver e só pode ser tocado por dedos miúdos, quando *ALACAZAM*: a mágica! Ele se contorce todo e finge de morto, virando uma bolinha cinza. Lá dentro segura a respiração, nem um barulhinho ou sinal de vida, até que passa um tempo, o danado retoma a coragem e segue seu caminho, apressado. Se eu fosse do tipo ortodoxa, contaria que ele é um artrópodo, pertencente à rama dos crustáceos superiores e à ordem dos isópodos, com a desenvoltura de uma sanfona. Ah, eu ouvi dizer que tem muita gente que odeia o pobrezinho, só porque ele gosta de soja, girassol e milho (mas quem é que não gosta?). O tatuzinho tem tantas perninhas que quase não dá para acreditar e ontem ele estava andando ligeiro na calçada laranjada. Silenciosamente o segui, certa de que se me percebesse deixaria a pressa de lado para o ritual do matreiro. Gente do céu, que bicho mais doido, repleto de encantos e que me lembra outros anos.

8 comentários:

  1. que gosto bom de nostalgia tem esse texto!
    E, juro, isso acontece comigo também. Onde estão, afinal, os tatus-bolas (?) que outrora eu brincava lá na casa da minha vó?! Ela ainda mora lá, ainda tem o jardim, mas onde eles estão?
    De repente, hoje só são vistos pelo meu sobrinho e o meu priminho. Ambos com menos de 10 anos.
    Deve ser isso. Só pode.

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Curiosamente existe um Tatu Bola que passeia sossegadamente pela minha sala. Nunca havia refletido sobre ele. Embora eu tenha visto meu cachorro comê-lo pelo menos umas duas vezes, eu acredito que seja sempre o mesmo que consegue voltar, pois sempre está sozinho. Na próxima vez vou prestar mais atenção.

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Eu vi um tatu bola hoje, eu vi, eu vi!!!
    Mas, fui tocá-lo e ele estava morto =/

    ResponderExcluir
  4. Nunca vi um tatu bola, será que vou ter medo? Meu sonho é ver um tatu bola.

    ResponderExcluir
  5. Scheylinhaaa... olha que coincidência... fazia tempo meeeesmo que eu não via tatus-bola... mas nessa semana tinham uns vários passeando na minha casa...
    aiin, mas tanta gte vendo, ultimamente... será que estão armando um motim?!

    ResponderExcluir
  6. Nem sei como parei aqui, mas tive que rir quando li o texto! Aqui em casa, tatu bola é uma praga! Eles aparecem do nada, andam por aí. E eu ando atrás com uma vassoura, colocando-os para fora! rs
    Mas eu também tinha este encanto na infância. Tenho também uma saudade infantil de uma plantinha que eu chamava de dorminhoca. Você tocava e as folhas enrolavam. Só as via num canteiro da igreja, que há muito tempo não existe mais... Você já viu?

    ResponderExcluir
  7. Vou repetir oq disse no blog da Michele. Ver pela primeira vez o tatu bola se transformando numa bolinha amistosa, como num passo circense, foi uma das grandes emoções da minha infância.
    PS Eu admiro pessoas q atualizam o blog com TCC pra entregar.

    ResponderExcluir
  8. Também vou redizer o que disse no blog da Michela:

    É tão fofo. Por ser um rapaz que cuida com carinho do jardim de casa, sou muito íntimo desses pequenos animais, que vivem entre a grama e a calçada e brincam com aquelas arainhas cinzas amistosas. Também tem as desengonçadas minhocas, as progressistas formigas e aqueles mosquitinhos quase microscópicos que voam pouco acima do gramado. Tantas lembranças.

    Acho que vou cortar a grama mais cedo esse mês.

    ResponderExcluir