Instagram

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Será que é você que não me ouve
ou eu
que não existo mais?

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Descontraindo

Numa competição onde só os piores sobrevivem, esse cara conseguiu a proeza de elaborar o pior "começo de um livro", desbancando com sobras os seus adversários. O Concurso, denominado Bulwer-Lytton Fiction de 2007 é organizado pela Universidade Estadual de San Jose e Jim Gleeson, técnico em Informática, foi o autor da obra ganhadora.
Abaixo o parágrafo que lhe rendeu o prêmio:

"Gerald começou - mas foi interrompido por um assobio cortante que custou a ele 10% de sua audição permanente, como aconteceu a todo mundo em um raio de 10 milhas da erupção, não que isso importasse muito porque para eles 'permanente' significava os próximos dez minutos ou até eles serem enterrados pela lava ou sufocados pelas cinzas - a mijar."

Palmas para o Jim.
\o/

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

06 de agosto de 1945


"O homem é o animal que pensa"... Será?

*Hiroshima - Japão - 06/08/45
8h15min - O Litlle Boy (nome 'carinhoso' da bomba atômica norte-americana) cai sobre a pequena cidade banhada pelo Rio Ota.

8h16min - Mais de 100 mil pessoas mortas. 90% da população foi eximada no momento da explosão.

“Havia uma enorme nuvem de cogumelo no ar. Eu não esquecerei o que aconteceu hoje. Perdi minha casa, meus amigos, meu pai e meu irmão. Perdi minha cidade”, Takashi Yamamoto, 10 anos.

Numa guerra não se perdem "milhares de pessoas"...
Perde-se um professor de Literatura,
e um garoto que gostava de Jazz.
Perde-se o primogênito da família
e também a menina que não usava saias.
São pessoas especiais, importantes, únicas....
Ela morreu com a mão esticada, a boca úmida
e a mente cheia de dúvidas de uma adolescente de 15 anos...
Ele não se despediu de seu filho que, na manhã deste dia, tinha aprendido a andar.

Talvez todos fiquem satisfeitos em esquecer daqueles que não foram o que seriam.
Mas 100 mil pessoas morreram naquela manhã, há 6 décadas atrás.
Não foi na ficção.
E o que impede que isso aconteça amanhã?

05 de agosto de 1938

domingo, 5 de agosto de 2007

Estações

Como naquele dia,
em que andamos sem rumo.
Rimos da vida.
E, por algumas horas, acreditamos que apenas os momentos bons existiam.